19/09/23

EPE divulga o relatório da PET/PELP do primeiro semestre de 2023

No final de agosto, a Empresa de Pesquisa Energética (EPE) lançou os relatórios do Programa de Expansão de Transmissão (PET) e do Plano de Expansão de Longo Prazo (PELP) referentes ao primeiro semestre de 2023. Eles apresentam todas as obras de expansão do Sistema Interligado Nacional (SIN) que, por ainda não terem sido licitadas ou autorizadas, estarão em leilões futuros. Seus dados são essenciais para que o Ministério de Minas e Energia (MME) pense a elaboração de outorgas e a aprovação de obras, assim como são referência para o mercado energético por possibilitarem análise panorâmica do setor (identificando a sua expansão e as oportunidades de negócios atreladas: cadeia produtiva dos sistemas de transmissão, oportunidades de novas conexões de empreendimentos de geração, empresas transmissoras de energia elétrica etc.).

Antes de tudo, é preciso diferenciar ambos: o PET apresenta as obras para os próximos seis anos a partir da data de pesquisa — no caso, até 2029 –, com obras que determinam o planejamento setorial; já o PELP trata das obras depois do sétimo ano — no presente contexto, a partir de 2030 –, com caráter indicativo, isto é, podem ser reavaliadas e modificadas ao longo do planejamento.

Para serem elaborados, são consideradas, principalmente, as seguintes premissas: data de corte do estudo (para os relatórios aqui apresentados, foram considerados apenas os estudos concluídos até junho de 2023); tipo de obra contemplada (consideram-se apenas as obras de Rede Básica, Rede Básica de Fronteira e Demais Instalações de Transmissão (DIT) ainda sem autorização ou licitação); composição das cinco regiões geoelétricas (Norte, Nordeste, Sul e Sudeste Centro-oeste); datas de necessidade, com base nos dados do SIN, e de tendência, que corresponde à data mais provável de início de operação, e contabilização da quantidade de linhas de transmissão; base de preços de referência, a partir do banco de dados da ANEEL bem como a perspectiva de expansão econômica do país.

De acordo com a EPE, o total do investimento do PET/PELP é de R$ 77,3 bilhões. Desse valor, 58% serão na área de linhas de transmissão e 42% em subestações.

PET/PELP — 1ºSemestre de 2023. Fonte: EPE, 2023.

Ao se analisar o caráter do projeto, 85% são instalações licitatórias, enquanto 15% autoritativas. Quanto ao tipo de obra, 67% contemplam o escoamento de geração, e 33%, o atendimento de mercados regionais. Assim, demonstra-se que, de fato, uma das principais tratativas em que o mercado se debruça para buscar soluções contempla o escoamento da geração de energia elétrica.

PET/PELP — 1ºSemestre de 2023. Fonte: EPE, 2023.

Quando se analisa a distribuição dos investimentos por região, tem-se, no topo, o Sudeste/Centro-Oeste, seguidos pelo Nordeste, e em terceiro lugar está o Sul. Do total de 44,6 bilhões, serão distribuídos 43,6 bilhões para leilões e 1 bilhão para autorizações, ou seja, a maioria dos investimentos serão direcionados para os leilões de novos ativos.

PET/PELP — 1ºSemestre de 2023. Fonte: EPE, 2023.

Tendo em vista o valor referente à licitação, 56% serão voltados ao PET, ou seja, para os próximos seis anos, até 2029, enquanto 44% correspondem ao PELP, após 2030. O submercado SECO — união entre as regiões Sudeste e Centro-Oeste — continua liderando, com R$16,8 bilhões em licitações, em uma proporção quase que igual entre ambos os programas da transmissão. Na região Nordeste e Sul, percebe-se que a maior parte do investimento se concentra no PET, buscando solucionar as tratativas já no curto prazo. Já o Norte é a única região em que predomina investimento no PELP.

Em relação à expansão física das linhas de transmissão, os relatórios apresentam um aumento de 17.700 km de linhas, indicando uma excelente oportunidade para empresas que atuam nesse setor. Já pensando nas subestações, haverá um aumento de aproximadamente 78.500 MVA.

PET/PELP — 1ºSemestre de 2023. Fonte: EPE, 2023.
PET/PELP — 1ºSemestre de 2023. Fonte: EPE, 2023.

Apesar de serem previstas licitações em todas as regiões, a EPE apresenta, como destaques dos próximos leilões de transmissão, os estados do Alagoas, Goiás, Maranhão e Paraíba, que correspondem ao submercado SECO.

PET/PELP — 1ºSemestre de 2023. Fonte: EPE, 2023.

Em Alagoas, são apresentados como destaques:

Já em Goiás:

No Maranhão:

Por fim, na Paraíba, apontam-se, como destaques:

A EPE também apresenta os benefícios de cada região, como o escoamento de energia renovável gerada em Alagoas, e da geração contratada no Leste do Nordeste por meio das obras da Paraíba, bem como a ampliação de conexões de empreendimentos que atendam às demandas da região. Também apresenta o aumento da exportação do Norte e do Nordeste para o restante do território nacional por meio das obras de Goiás, com ênfase para a subestação retificadora C.C. de Silvânia, e por meio das no Maranhão, principalmente a subestação C.C. de Graça Aranha.

A análise de expansão dos sistemas de transmissão se torna necessária para empresas que atuam em qualquer ponto da linha evolutiva dos empreendimentos de transmissão e dos empreendimentos que se beneficiam de um SIN mais robusto e confiável. Com a identificação de quais ativos serão negociados, as empresas podem acionar as transmissoras que possuem histórico de participação nesses certames para negociar pré-contratos anteriores ao leilão. Empreendimentos de geração que tiveram seus Pareceres de Acesso negado, e todos os demais também poderão se beneficiar da expansão do SIN.

PET/PELP — 1ºSemestre de 2023 — destaque no Nordeste. Fonte: Ecotx Energy Data, 2023.

Para as empresas que irão participar de forma direta ou indireta dos empreendimentos de transmissão, a Ecotx preparou um produto exclusivo para os leilões de transmissão! Confira com a nossa equipe as informações para os leilões de 2024!

Texto: Leticia Pilger
Editor: Paulo Renato Reche