02/03/23

Expansão da fonte hídrica através das PCHs — VI Conferência Nacional de PCHs e CGHs

No final do mês, entre 29 e 30 de março, ocorrerá a VI Conferência Nacional de PCHs e CGHs, realizada pela Associação Brasileira de Pequenas Centrais Hidrelétricas (ABRAPCH). Neste ano, o evento acontecerá na capital, Brasília, por se comemorar o décimo ano da associação. Neste mês de março, realizaremos o lançamento de um Dashboard focado na geração hídrica, além de que abordaremos, aqui no blog, durante as semanas que antecedem o evento, tópicos importantes e reflexões do setor hidrelétrico nacional.

Para iniciar, vamos contextualizar o processo da aprovação de um empreendimento hidrelétrico, que se diferencia das fontes fotovoltaica e eólica, de modo que é necessário pontuar suas especificidades. O desenvolvimento de projetos de geração hídrica começa com o pedido de registro, que, quando aceito, é seguido pelo DRI-PCH (Despacho de Registro de Intenção à Outorga de Autorização) e pelo DRS-PCH (Registro de Adequabilidade do Sumário Executivo) — o processo ocorre da mesma forma para as usinas de maior porte, com a DRI-UHE e a DRS-UHE. Em seguida, parte-se para a fase de Eixo Disponível, para o Estudo de Viabilidade e, por fim, para o Registro Ativo. Após essas etapas de ativação, a ANEEL solicita a Declaração de Reserva de Disponibilidade Hídrica (DRDH), e o empreendedor deve partir para o Licenciamento Ambiental, com as posteriores outorgas de autorização.

Atualmente, existem 89 projetos em fase de despacho DRI-PCH, com 992 MW de projetos espalhados pelo Brasil, sendo possível consultar cada um deles no Dashboard da Ecotx. Ao total, a disponibilidade hídrica ultrapassa 57 GW de potência disponível entre os nove estágios de desenvolvimento, sendo a maior disponibilidade no Pará, no Amazonas e no Mato Grosso.

Figura 1 — Empreendimentos hidrelétricos em estudo. Fonte: ANEEL (fev/23) Elaboração: Ecotx Energy Data

Quando se aplica apenas PCHs na pesquisa, com o limite em projetos de até 30 MW, é possível identificar as regiões e os estados de referência onde existem maior disponibilidade de projetos. A partir disso, percebemos que a potência total reduz para um patamar de 10 GW, que é um número elevado, sendo que a maior concentração se encontra em Minas Gerais (>1,9 GW), Goiás (>1,2 GW) e Mato Grosso (>1,1 GW). Esse recorte é necessário para identificarmos somente o potencial de expansão das PCHs, retirando as UHEs do escopo do horizonte disponível de projetos.

Figura 2 — Empreendimentos hidrelétricos em estudo (até 30MW). Fonte: ANEEL (fev/23) Elaboração: Ecotx Energy Data

Por região, identificamos que, em projetos de 3 a 30 MW, no Nordeste, estão disponíveis 540 MW, divididos em 48 empreendimentos. Já no Norte, são 823 MW, em 70 usinas. No submercado SECO (Sudeste e Centro-Oeste), são 6640 MW, separados em 473 empreendimentos, enquanto no Sul são 2400 MW, em 217 usinas. Diferente das UHE, pelo período de licenciamento ambiental das tratativas e pela distância dos centros de consumo, é viável e importante que a geração hídrica, via PCHs, entre em operação nas duas próximas décadas, porque, na grande maioria, as pequenas centrais hidrelétricas estão mais próximas do centro de carga, de modo que exigirão menos investimento na transmissão, além de que geram um impacto ambiental muito menor, quando comparados aos grandes projetos hidrelétricos. Um ponto interessante é pontuar que os reservatórios de acumulação, menores, podem também fornecer segurança de suprimento à carga.

Para o submercado Sul, destacamos o estado do Paraná, que apresenta 958,69 MW em projetos em desenvolvimento. Das 217 usinas da região Sul, 84 estão no Paraná, com destaques às sub-bacias do Paraná, Paranapanema, Iguaçu e Ribeira do Iguape.

Figura 3 — Empreendimentos hidrelétricos em estudo (SUL). Fonte: ANEEL (fev/23) Elaboração: Ecotx Energy Data

Para finalizar, convidamos que visitem o Dashboard de empreendimentos hidrelétricos na Ecotx, que permite que sejam identificados todos os projetos em desenvolvimento, assim como a localização de cada um deles, considerando o rio, a sub-bacia e o estado, bem como a timeline de desenvolvimento das PCHs e o descritivo de suas fases.

Figura 4 — Flyer da VI Conferência Nacional de PCHs e CGHs de 2023. Fonte: ABRAPCH
Fontes:

ANEEL — Agência Nacional de Energia Elétrica (www.gov.br)

VI Conferência Nacional de PCHs e CGHs * Abrapch
Categorias Um evento focado em pequenas centrais geradoras hidrelétricas para compartilhar conhecimento e fazer…
abrapch.org.br
Autora: Leticia Pilger
Editor: Paulo Renato Reche